Posted on

Pão de Açucar – Mamanguá

BY: Mauricio Duarte / 0 COMMENTS / CATEGORIES: Blog Veleiros Thalassa

Mamangua Pao de AcucarEsse fim de semana o passeio foi com meu filho e seus colegas da Poli-Usp. O vento esteve muito bom, do quadrante leste e com boa intensidade (12-17 nós). Os meninos subiram o Pão de Açucar, no Mamanguá. Essa é sem dúvida uma das vistas mais bonitas da região. Para escalar este pico leva “apenas” 45-50 minutos. A subida é bem íngreme, faz calor e a umidade é alta. Mas ao final vale a pena.

Posted on

Golfinhos

BY: Mauricio Duarte / 0 COMMENTS / CATEGORIES: Blog Veleiros Thalassa

Clientes de Brasília

Há muitos golfinhos na baía de Paraty. Porém, nos períodos de férias e nas datas comemorativas, quando o tráfego de escunas de turismo, lanchas e veleiros aumenta muito, os golfinhos não aparecem muito.
Pois neste começo de ano, com toda esta movimentação no mar, nós vimos golfinhos !!! Exatamente na costa da Ilha do Araújo, no triângulo formado por essa ilha com as ilhas da Rapada e do Ventura. Isto não é segredo, todos sabemos que os golfinhos adoram ficar por lá.
Em um passeio com uma família de Brasília – aliás, eles eram muito simpáticos – eu comentei com as 2 filhas do casal que talvez desse para ver golfinhos, mas que não era certeza… E nós vimos vários !
Aqui vai a dica: para ver golfinhos, o principal é ficar atento. Sim! Porque os golfinhos não vêm saltar na sua frente… Você precisa avistá-los primeiro, quando saem para respirar.
Ficando atento, você também pode ver tartarugas e peixes voadores. Para mim, ficar atento ao que acontece no mar é um hábito. Provavelmente um hábito que a gente desenvolve mais quando navega. E olha que serve em terra também…

Posted on

Ninho de Gaivotas

BY: admin / 0 COMMENTS / CATEGORIES: Blog Veleiros Thalassa

gaivota-blogÉ muito raro um fim de semana no mar sem ver alguma coisa diferente.

Neste fim de semana vimos um ninho de gaivota com 2 filhotes. O local: uma pedra cercada por água por todos os lados, um lugar totalmente exposto às intempéries, com risco dos filhotes caírem dentro do mar e totalmente visível para predadores. Mas o predador tinha que chegar lá, e só voando mesmo…  Vimos várias aves tentarem se aproximar dos filhotes, mas o macho e a fêmea gaivota se revezavam e defendiam o ninho o tempo todo.

A gaivota deve ter feito uma boa análise de risco antes de escolher o lugar do ninho, pois os filhotes já estavam bem grandinhos.

gaivota-blog-2